domingo, 8 de dezembro de 2013

Apenas quem eu sou


Sem perceber o mundo
Somos acorrentados loucos
Numa nostalgia indefinida
Sem querer num sono profundo
A sociedade é bem relativa
Como homem e mulher
Meio sem passado, quase sem futuro
Com oportunidades sem saber o quer

Eu quero ser o inverso
Dessa maluca sociedade 
Dos sonhos sem nexos 
De leis sem liberdade
Em busca de um vento
Que nunca me passou
Num buraco negro sem tempo
Quero ser apenas quem eu sou

Nenhum comentário:

Postar um comentário