sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Um louco sem nada

 Eu quero ser uma ideia
 Uma busca indefinida
 Uma sombra insolente

 Eu quero ser uma matriz
 O núcleo de uma razão
 E um sinal de interrogação

 Eu quero ser uma voz
 Ouvida na multidão
 Sem nenhuma compressão

 Eu quero ser a diferença
 Um louco sem nada
 Sem medo, sem vergonha

 Eu quero ter uma vida
 De lutas inesquecíveis
 De um tempo, de uma estória

Ed Bento

Nenhum comentário:

Postar um comentário