sexta-feira, 1 de junho de 2012

A rua onde eu morava


Lotes vagos, eram tantos
 O cantar dos pássaros
 Eram perfeitos, em rítimo
 Apenas com o leve som do vento

 Aquela rua onde eu morava
 Era de terra, era simples
 Eu não conhecia o tal asfalto
 Que queima meus pés descalço

 Não percebi com meus olhos
 Tanta mudança em questão
 Não tem mais som do vento
 Nem o cantar dos pássaros

 Naqueles dias tinha lua e estrela
 Amontoadas, brilhantes a olho nu
 As noites escuras, tinham sua beleza
 Hoje nada disso vejo...acabou a natureza


Nenhum comentário:

Postar um comentário